sábado, 25 de julho de 2015

Cidades de Papel - John Green - Intrínseca - 2013



Resenha abaixo não contem spoilers.
(Leiam os 'P.S.' São importantes)

Um livro que trata sobre friendzone muito antes da moda da friendzone com toques de suspense e romance nada baratos com cunhos poéticos sem fim e nem início(ufa... respira). Não entendeu nada? Venha comigo em Cidades de Papel de John Green (O Segundo lançado originalmente, pois a publicação no Brasil foi diferente!) que entenderemos juntos.



Vamos ser simples curto e direto. O Livro mais fraco de John Green na minha opinião, pois nesse livro não há reviravoltas (me reclamaram de Plot Twist !) mirabolantes e nem que façam que você coma o livro (ler…. LER!!!!) em horas como acontece com Culpa das Estrelas e Teorema Katherine (Eca Katharine. Outra hora essa resenha!).
O livro gira em torno de Quentin, do qual ele fala que cada um tem seu milagre, porém o milagre dele foi ser vizinho de frente de Margo Roth Spielgeman (experimente gravar esse nome! Tive que escrever com pesca) na qual ele é estupidamente (Claro!) apaixonado por ela deste seus 4 anos de idade.
Um belo dia, anos depois, ambos já não são tão amigos, ela entra no quarto dele e pede para que ele lhe acompanhe em 11 missões que não envolvem arrombamento e nem invasão simultaneamente. Após essa noite ela some “misteriosamente” deixando “pistas”, que somente para ele desvendar onde ela se encontra.
Aí que vem a minha parte chata de se falar sobre um livro que contém 4 partes onde a primeira e a terceira são fantásticas e a segunda e a quarta são tão chatas. Todo mundo sabe que odeio mimimi e romancezinho barato, então me junte friedzone e agora o pacote tá completo, pronto para tocar fogo.
A parte do suspense (primeira parte) prende que é uma beleza! A friendzone (segunda parte) ataca de tal forma que parece chiclete em cabelo de mulher! “Me vem” uma viagem fodástica por parte dos Estados Unidos, com direito a abastecimento e suprimento do carro em no máximo 6 minutos (terceira parte) e também uma parte censurada que me deixa abismado como foi chato (quarta parte). Esperava final diferente?! Não. Mas imaginava que seria de todo uma grande cagada que desde o inicio já esperava? Não!
Não tiro de nenhuma forma o mérito do livro, ele é bom, na forma singela, bom para distrair, SOMENTE bom. Mas ele me dá emoção e esperança nas partes que não deveriam, pois elas não estão em foco, de forma direta, com o objetivo do enredo do livro. Primeira vez que li achei muito pior que isso. Lendo agora pela segunda vez entendi melhor a causa do não gostar 100% dele. O que me leva a simples reflexão, a história como um todo anda e distrai, mas as partes que não são o enredo foram as melhores… será que a história poderia ser diferente focando no enredo de 3 adolescentes e não somente em 1 e o universo girando em torno dele?
P.S.: O Filme lançado em 2015. 
Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.