sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Arrivederci amore, ciao - Massimo Carlotto - Vestigo - 2015


Resenha abaixo não contem spoilers.
(Leiam os 'P.S.' São importantes)

Skoob - Compare e Compre - Loja Recomenda


Mulheres, cachaça, fugir, voltar, matar, cometer crimes, mais mulheres, dinheiro, 'amizade', corrupção, mais cachaça e mais um pouco de tudo que é podre e não vemos nesse submundo. Com uma junção disso tudo em uma leitura que não sei descrever em sua totalidade, ele é bom, porém tem seus percalços, vem comigo nessa tentar me ajudar e entender.

Giorgio Pellegrini, ex-militante de extrema-esquerda, traiu todos os seus antigos camaradas para fugir da prisão e lança mão de seu charme para seduzir as mulheres e roubá-las. Ele acaba pegando gosto pelo crime ao tentar forjar um recomeço político que lhe permitiria entrar na alta sociedade.


Giorgio, como a própria capa nos informa, é um crápula de marca maior. Ele usa as mulheres, ele quer poder, ele quer subir na vida por cima dos outros, ele é ilícito, ele mata, ele transa e além de tudo ele bebe. Foge por vários lugares por um crime na qual ele cometeu na irresponsabilidade do momento e acabou matando uma pessoa inocente.

Lá para o começo/meio do livro vemos o retorno dele para a Itália para redimir seus pecados, não antes de ter a possibilidade de denunciar se não ajudarem na diminuição de pena, pois como o mesmo fala tem muita informação que ele sabe que os 'tira' vão adorar rever o caso após mais de anos parados.

Lembre que falei de mulheres, o Giorgio é o cara que não gosta as 'novinha', mas sim das quarentonas pois tem mais maduridade, e algumas tem a possibilidade de variar em quesito sexual de forma que as mais novas não tem essa capacidade, além de ser gosto pessoal dele, claro.

Mais vamos ao que interessa, qual meu parecer para esse livro? Ele é um livro bom, e não espere para ler em uma sentada (por ter menos de 150 páginas), pois ele em alguns momentos lhe faz ler devagar para melhor assimilar o que diacho está acontecendo, pois além de ter falas no livro, a gigante maioria é texto quase que descritivo da situação.

O livro sinto como se ele jogasse as informações na história, em resumo como se fosse uma conversa de bar onde ao final do livro estamos todos bêbados e pensando, WTF?!. Ele me lembra como se fosse um resumo aumentado do livro os homens que não amavam as mulheres com muita cachaça e dedo pobre no meio. (não sei porque dessa semelhança, juro).

Acredito que ele podia ter dissolvido um pouco mais a história, feito em mais páginas, e ter escrito uma história menos caótica como essa. Um livro que é bom, pois montado de forma muito simplória. Desejaria um ardor maior na leitura do que tive nele.

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.