segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Jack, O Estripador em Nova York - Stefan Petrucha - Vestigio - 2015


Resenha abaixo não contem spoilers.
(Leiam os 'P.S.' São importantes)

Skoob - Compare e Compre - Loja Recomenda


Pai? Filho? (Espírito, santo, amém?! - Nops), Crimes bárbaros que lembram Jack o estripador, Roosevelt (Ele mesmo, que foi presidente dos EUA), organização secreta, amigos, brigas, investigações, sonhos, drama, um quê de sobrenatural, e o que mais der na telha para você começar a ler esse livro AGORA. Vem ficar ansioso comigo, como fiquei. 

Carver Young sonha ser um detetive, apesar de ter crescido num orfanato, tendo apenas romances policiais e a habilidade de abrir fechaduras para estimulá-lo. Entretanto, ao ser adotado pelo detetive Hawking, da mundialmente famosa Agência Pinkerton, Carver não só tem a chance de encontrar seu pai biológico como também se vê bem no meio de uma investigação de verdade, no encalço do cruel serial killer que estava deixando Nova York em pânico total. Mas quando o caso começa a ser desvendado, a situação fica pior do que ele poderia imaginar, e sua relação com o senhor Hawking e com os detetives da Nova Pinkerton entra em risco. À medida que mais corpos aparecem e a investigação ganha contornos inquietantes, Carver precisa decidir: de que lado realmente está? Com diálogos brilhantes, engenhocas retrofuturistas e a participação de Teddy Roosevelt, comissário da polícia de Nova York que viria a ser presidente dos Estados Unidos, Jack, o Estripador em Nova York desafiará tudo o que você pensava saber sobre o assassino mais famoso do mundo. E o deixará sem fôlego!


Como a própria sinopse diz, Caver young tem sua chance de ser detetive, porém não com quem ele espera, e nem como ele quer. Tudo deste o começo já vai lhe deixando apreensivo, pois logo no começo aparece uma carta de seu possível pai e quais os motivos a Sra. do Orfanato não mostrou a ele antes.

Junto com Roosevelt, Hawking, e Carver Young vamos nos aprofundando na história que vai ficando cada vez mais macabra (não em sentido ruim...) lhe mostrando que aquilo que nos apresenta é bem mais profundo do que imaginávamos, e a cada capitulo vem trazendo uma nova informação, ou várias.

Você fica apreensivo, você fica louco, quer terminar o livro logo, e no meio do livro de depara com uma parte onde fica fala logo: "Whaaaat?! Como assim?!". Tu continua, tu vai se deparando com novas informações, e nesse momento tu já não sabe se torce para o mocinho ou para o jack, ou para a menina, ou para o cachorro, ou para a filha de Roosevelt (que por sinal é uma bela adição de personagem na história) e tu fica sem chão quando se depara com uma cena final que faz tua cabeça ficar assim:


Você termina o livro e se joga na cama, ou onde esteja lendo imaginando o motivo de não ter uma lido essa obra antes, que não só presta uma bela homenagem aos personagens conhecidos da história como da era na qual o Jack vivia e podemos pensar, será mesmo que Jack não foi para outros locais praticar seus belos crimes, como ele mesmo intitula em suas cartas?!

E mesmo assim não conhece muito a vida dele? Deixo indicado aqui um podcast do Escriba Café (um dos melhores que conheço hoje no mercado brasileiro) sobre o Próprio Jack. De arrepiar e o que lhe faz ver quantas referências interessantes, além de escondidas pelo livros estão.

Indicação: Jack Estripador (Escriba Café - PodCast)

"Não apenas pense, dê a si mesmo algo em que pensar. O cérebro é omo um camundongo correndo numa roda na gaiola. Sem escapatória e sem nem mesmo saber disso. Tudo que ele sabe é o que os sentidos lhe dizem. Use seus sentidos. "

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.