segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

[Resenha] Mate-me quanto quiser - Anita Deak - Gutenberg - 2014


Resenha abaixo não contem spoilers.

Páginas: 248
Informações do Livro: Skoob
Onde Comprar: Compare e Compre - Saraiva - Amazon - Submarino
Leia Amostra Grátis: Amazon

Uma mulher que por conta da sua vida 'infeliz' pede para Soares matar você em até 4 meses, em barcelona. Final previsível? Não! Texto Comum? Não! É de surpreender a complexidade que vemos nos personagens, sejam na morena, na loira, no homem, no Soares ou na mulher, e ainda mais a forma que Anita Deak brinca com o leitor na sua narrativa.


Decidindo que sua vida deveria chegar ao fim, mas sem coragem de cometer suicídio, uma mulher contrata Soares, um matador de aluguel. Resolve que sua morte acontecerá na bela cidade de Barcelona, e para isso envia ao seu futuro algoz a passagem de avião e o endereço de onde ficará na Espanha. Ele deverá matá-la no prazo de quatro meses, quando for mais conveniente. Junto com o pagamento, manda também uma foto sua, para que ele saiba quem ela é. Mas ela não quer saber como é a aparência de seu matador. O destino, porém, nem sempre cumpre à risca os planos que costumamos traçar para ele.


P.S.: Antes de continuar, é necessário saber que os personagens não tem nome, porém são denominados por A Morena, A Loira, O Homem, Soares, e a Mulher.

Fui ler esse livro por dois motivos, por ter assinado filme (não sei se nacional ou internacional!) e por ter ganho ele e decidi encará-lo. Foi a minha surpresa ao ler ele, pois a Anita ela literalmente brinca com o leitor, sendo a observadora de toda essa história, com frases que lhe fazem cair na risada.

"Novamente seu coração descompassado e as pernas curtas acelerarem-se, ela voltou a segui-lo, sem entender racionalmente o porquê do próprio comportamento. Seria curiosidade, um parafuso a menos, ou apenas falta do que fazer? Talvez isso tudo junto. Não podemos esquecer que a personagem pagou para morrer. Logo normal - ao menos aos olhos da maioria dos leitores - ela não deve ser"

Ao longo da história, obviamente, vamos lendo e descobrindo o real motivo da nossa protagonista (quase suicida) de querer a morte, onde o motivo não é mais importante nessa história, pois logo no início é inserido todos os personagens, e vira uma lambança (no bom sentido) de história em que cada ação interfere diretamente até naquele que nem tinha conversado entre si.

"...com um desfecho que levaria o leitor a encostar o livro na estante e seguir com a vida. Outros fatores, no entendo fazem com que a história de alongue. "

O livro lhe prende deste a primeira página, onde você não acaba pensando num desfecho melhor para essa aventura que o que foi escrito. Você vai rindo, você vai ficando apreensivo, você fica até ansioso e com vontade de dar uns belos tapas em qualquer personagem e gritar que aquilo que está sendo feito por ele é uma completa babaquice.

"Acontece que o matador é um personagem complexo. E, sendo assim, uma linha de pensamento única e rígida, que poderia fazê-lo ater-se a determinados comportamentos, tornando-o previsível aos olhos do leitor, certamente estragaria a história."


Vemos de tudo nesse livro, deste de adultério, chantagem, vidas desfeitas, vidas feitas, consulta com psicoanalistas (não psicoterapeutas), mãe que mesmo morta atormenta e principalmente vemos uma história que poderia estar do nosso lado e nunca sabermos que ela pode acontecer, pois a história é escrita de uma forma tão grandiosa que parece que aquela pessoa (ou uma delas) é conhecido nosso de perto.

Livro que me surpreendeu de uma forma que não esperava, além do mais a maior surpresa no entanto foi no final que não se mostra igual a nenhum outro que eu tenha lido em livro desse tipo, alias, esse livro é bem diferente do que leio ultimamente,

Pois, se pensa que terá romance, está redondamente enganado! (Higor, Psiu! Olha o Spoiler!)

"A vida era/é uma merda porque ela não admite dublê. Rede de proteção. E porque causa dor, sim. Um dor aguda. Como se a gilete que tinha entre as mãos cortasse-lhe todo o corpo simultaneamente."


Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas).

Leia Amostra Grátis:

Share:

2 comentários:

  1. Que maravilha ler esta resenha. Obrigada, querido. Mate-me foi feito com muito amor, empenho e respeito pelos leitores. :)

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ow Anita!! Muuuuito Obrigado. O carinho colocado na escrita fez o excelente trabalho!!!

      Excluir

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.