quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O REGRESSO - The Revenant - EUA - 2015

O REGRESSO (The Revenant, EUA, 2015)

Resenha abaixo não contem spoilers do filme.





E após o Globo de Ouro, todas as matérias e críticas possíveis e imagináveis, minha carteirinha do "contra" acabou de chegar... Vencedor do Globo de Ouro, O Regresso tem tudo para dar o primeiro Oscar de melhor ator para senhor Di Caprio e deixar o mexicano Alejandro González Iñárritu feliz da vida com um segundo Oscar, depois de Birdman. Maaaaaaaaaaaaaaas confesso que não achei lá essa preciosidade toda, vai saber né? Não sei se é marketing, apelo, mas o filme tem tudo para ser o melhor de 2015, só que eu não concordo... Prazer, Amanda do Contra.


O Regresso conta a história de Hugh Glass (Leo di Caprio) e uma equipe americana que caça ursos atrás das peles, por ter sido casado com uma índia e ter um filho mestiço, Hugh às vezes é alvo de preconceitos, já que nessa corrida pelas peles, os índios são os "inimigos". Após uma investida dos índios a equipe americana perde metade de sua carga e se vêem perdidos, sendo que Glass é o melhor guia de todos, tendo a "proteção" do capitão Andrew Henry, o que gera um certo desconforto em John Fitzgerald (Tom Hardy) que demonstra ser o mais preconceituoso de todos chegando a destratar o filho de Glass. 

Um certo momento Glass é atacado por um urso (cena brilhante, bruta e crua) e não tem como acompanhar a equipe devido a seus ferimentos mortais e quem fica para tomar conta dele até o resgate chegar? Ele mesmo: Fitzgerald e um outro membro da equipe. Num desentendimento Fitzgerald mata o filho de Glass (isso NÃO é spoiler, porque o filme trata de vingança) e o deixa para morrer, indo ao encontro dos exploradores. Só que Glass mesmo quase zumbi consegue sobreviver a duras penas e com a ajuda de alguns parte em retorno a base para se vingar de Fitzgerald. E o filme é isso, o regresso (raááá, trocadilho infame) de Glass para vingar a morte de seu filho. A jornada, os percalços, a intempéries, a luta pela sobrevivência, o que move o ser humano, é disso que se trata o filme, sem muitos diálogos e com muitas cenas de contemplação e algumas de ação (foco na cena do urso).


O Regresso é um filme épico, com fotografia impecável, boas atuações, tem um bom ritmo apesar de ter 157 min, confesso que no final já estava meio agoniada pra acabar e o climáx não é grandioso, diria até meio sem gracinha, mas ele segue o ritmo do filme que é linear, não se tratando de reviravoltas e sim um jornada. Leonardo di Caprio como sempre atua muito bem como o homem de poucas palavras, porém, muito sofrido com olhares e expressões arrebatadoras, mas não acho que seja seu melhor papel não, não me julguem... 


Achei Tom Hardy até melhor com o seu complexo Fitzgerald. Talvez a história em si não tenha me ganhado, jornada, vingança, sei lá, achei fraco, não que o filme seja fraco, porque o filme é poderoso, mas a história não me deu aquela vontade de sair gritando aos quatro ventos: "que maravilhaaaaaaaaa", "best filme ever, tenho que ver de novo"... Recomendo pelas belas cenas, paisagens incríveis, e boas atuações, mas a historia... Ahhh a historia!! Nem para falar da guerra e massacre contra os índios, não; é apenas vingança, para mim ficou faltando algo!!! Bom, O Regresso estréia por aqui dia 21 de janeiro e tem tudo para ser indicado ao Oscar de melhor filme, portanto confiram e me digam se eu sou mesmo do contra ou o filme é apenas um filme...


Resenha feita por: Amanda Oliveira

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.