sexta-feira, 22 de julho de 2016

[Resenha] Alucinadamente Feliz - Um livro engraçado sobre coisas horríveis - Jenny Lawson - Intrínseca - 2016

Resenha abaixo contém pequenos spoilers do livro.

Título Original: Furiously Happy: A Funny Book About Horrible Things
Páginas: 352
Informações do Livro: Skoob - GoodReads
Leia uma parte do Livro Gratis: Amazon
Onde Comprar: Compare e Compre - Saraiva - Amazon - Submarino

Estou Alucinadamente Feliz (trocadilho infame) no evento da Turnê Intrínseca (tem post falando de como foi!) quando me deparo com esse livro e na hora fiquei perdidamente apaixonado por ele. Deste sua capa que é um animal que a autora leva para tudo quanto é canto, até a sua história. Lembrando que é raro eu encontrar livros que tenham pessoas que tem problemas sérios, e diagnosticados, e levam sempre na esportiva e deixam isso marcado nos livros. Vem conhecer comigo essa doida (ela sabe que é). 

Jenny Lawson está longe de ser uma pessoa comum. Ela mesma se considera colecionadora de transtornos mentais, já que é uma depressiva altamente funcional com transtorno de ansiedade grave, depressão clínica moderada, distúrbio de automutilação brando, transtorno de personalidade esquiva e um ocasional transtorno de despersonalização, além de tricotilomania (que é a compulsão de arrancar os cabelos). Por essa perspectiva, sua vida pode parecer um fardo insustentável. Mas não é.
Após receber a notícia da morte prematura de mais um amigo, Jenny decide não se deixar levar pela depressão e revidar com intensidade, lutando para ser alucinadamente feliz. Mesmo ciente de que às vezes pode acabar uma semana inteira sem energia para levantar da cama, ela resolve que criará para si o maior número possível de experiências hilárias e ridículas a fim de encontrar o caminho de volta à sanidade.
É por meio das situações mais inusitadas que a autora consegue encarar seus transtornos de forma direta e franca, levando o leitor a refletir sobre como a sociedade lida com os distúrbios mentais e aqueles que sofrem deles, sem nunca perder o senso de humor. Jenny parte do princípio de que ninguém deveria ter vergonha de assumir uma crise de ansiedade, ninguém deveria menosprezar o sofrimento alheio por ele ser psicológico, e não físico. Ao contrário, é justamente por abraçar esse lado mais sombrio da vida que se torna possível experimentar, com igual intensidade, não só a dor, mas a alegria.

Como falei... é raro eu conseguir achar livros que são nessa pegada de pessoas que contenham sérios problemas de saúde, são loucas - as vezes - e passam isso para o livro de forma tão despretensiosa que você chega a esquecer que na verdade, quem escreve, tem uma vida que todos não dariam para ter, mas várias pessoas tem. Livros como esse raramente fazem sucesso o que faz com que poucas pessoas o leiam, infelizmente.

"De acordo com muitos psiquiatras que visitei nas últimas décadas, sou uma depressiva altamente funcional com transtorno de ansiedade grave, depressão clínica moderada e distúrbio de automutilação brando proveniente de um transtorno do controle de impulsos." 

Alucinadamente feliz é o segundo livro da Autora a ser publicado aqui no brasil (livros independentes e já estou correndo para ler o primeiro), onde a Jenny tem diversos problemas mentais, onde são diversas síndromes, contudo os piores são a depressão que acompanha ele dia a dia e a crise de ansiedade (sim... ansiedade em determinado nível é doença) que aparece de vez em quando, porém quando aparecer ela arrasa a vida dela com machucados, pouca vivencia social e etc...

"...a depressão clínica é uma visitante ocasional, enquanto o transtorno de ansiedade é o meu relacionamento abusivo de longa data."

Ela se tornou blogueira para expor como era sua vida, e nessa encontrou outras pessoas que sofriam desse mesmo mal, alguns menos e outros mais, porém sempre sabendo que ela não era única a sofrer disso. Tem ajuda de seu marido Victor e sua filha Halley que dão super apoio na vida dela em situações alegre e situações tristes. 

"Já chega, vou ser Alucinadamente Feliz só de raiva."

"Minha regra é 'aproveite o que não está na merda agora, porque há merdas a caminho'."

Parafraseando as falas da autora, se ela pode ir até o fundo do poço ela também pode ser 'Alucinadamente Feliz', é o que está extremamente notório nesse livro que em vários momentos lhe tira o ar, lhe faz chorar de tanta risada, como também lhe deixa próximo a depressão com o momentos que são bem complicados para todos nós, principalmente para ela. 

"... Em certas ocasiões controle deixando que elas me controles, pois não tenho escolha."

Esse livro é daqueles que você vai sempre lembrar dele não por seu jeito 'Tragicômico' de escrita, que é sobre a vida de uma pessoa que seguiu o rumo de um suicídio e superou, e ainda supera esses sentimentos para poder compartilhar com outras pessoas, que por mais difícil que seja, há um longo caminho a seguir e nunca você está sozinho. 

"Espero um dia melhorar, e tenho certeza de que vou conseguir. Espero um dia viver num mundo em que a luta particular pela estabilidade mental seja vista com orgulho e torcida pública em vez de vergonha. E também espero isso por você."

P.S.1: Sobre os livros raros desse tipo de livro que eu falei, um deles é Hoje eu sou Alice que trata de uma mulher que tem 9 personalidades com ela o que se caracteriza como Transtorno de Múltipla Personalidade.

P.S.2: Se puderem me indicar outros livros nesse seguimento irei adorar. 

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)


Ler Amostra Grátis

Share:

2 comentários:

  1. Fiquei com muita vontade de ler esse livro desde a turnê. A capa e a história foram o que me chamou atenção <3 Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir
  2. Comprei... Estou no processo de leitura. Realmete, a capa e o título são muito chamativos. No entanto estou refletindo e não sei se até o final do livro estarei com a mesma opinião ainda, pois tudo muda, em fração de segundos. Mas até o momento, estou pensando que, certas coisas não são tão engraçadas assim. Pode até ser que o nome síndrome do Jaleco Branco tenha um nome engraçado, mas o nome real da patologia e as consequências são assustadoras.

    ResponderExcluir

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.