sexta-feira, 30 de setembro de 2016

[Resenha] O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES (Miss Peregrine's Home For Peculiar Children, EUA/ Reino Unido/ Bélgica, 2016)

O LAR DAS CRIANÇAS PECULIARES 
(Miss Peregrine's Home For Peculiar Children, EUA/ Reino Unido/ Bélgica, 2016)

Como acontece muito, vi o trailer, fiquei super interessada no filme, e eis que descubro que é baseado em livro. Como toda viciada, tinha que ler o livro antes da estreia (ai minhas finaças...) Meses procurando O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares e claro que quem acha é aquela velha alma sebosa (sorturda que acha tudo). “Paaaaaaaaaare tudo que está fazendo, compre que pego na sua mão em meia hora”, trato feito, 30 min depois livro na mão, em 4 dias leitura finalizada. Agora coração tranquilo, posso esperar o filme em paz. Vamos comparar livro e filme??? Não, não, não sou paga para isso... Perai, eu nem sou paga... Triste constatação!!! Como as vezes o universo também conspira a meu favor (chuuuuuuuuuuupa alma sebosa sortuda), vamos ter pré-estreia, iupiiiiiiiiiii, tudo certo, convites na mão, chegar cedo para não correr riscos e para completar, pipoca e guaraná, valeeeeeeeeu Shiva!!! Esquece o livro e embarca no filme, vamos ao mantra: é adaptação, é adaptação, é adaptação!!!


O filme começa com Jake, um adolescente tímido, meio anti social na escola, bastante apegado ao avô Abe, que sempre contou histórias sobre crianças fantásticas que viviam em um orfanato, onde cada uma tinha algo diferente e peculiar, sendo o orfanato administrado por uma mulher que se transformava em ave. Ao ser atacado, Abe acaba morrendo nos braços de Jake e pede que o mesmo encontre o orfanato. Chocado com a morte do avô, Jake começa a frequentar uma psiquiatra que o incentiva a procurar o tal orfanato para poder se despedir devidamente do avô e suas histórias. Jake embarca junto com seu pai, a uma ilha no País de Gales, com 94 habitantes, para tentar entender um pouco mais sobre Abe, quando descobre um orfanato destruído, restando apenas ruínas. Desolado, Jake continua andando quando encontra Emma, moradora do orfanato que o leva a uma fenda que na verdade é um lapso temporal e voltamos para 1943 com o orfanato em pleno funcionamento. Aos poucos Jake descobre sobre as crianças do orfanato e seus “poderes”, sobre a srta. Alma Peregrine e todas as histórias do seu avô e claro, sobre os perigos que os peculiares correm por causa dos etéreos (mais que isso é spoiler, sorry kids).



Um excelente filme, cheio de efeitos legais, com uma história cativante e instigante que faz os 127 minutos passarem v-o-a-n-d-o. Tim Burton acerta a mão dessa vez e nos traz uma preciosa adaptação. O roteiro simples, porém todo amarradinho nos conta uma fantástica história digna do selo Harry Potter de qualidade. Para todas as idades, O lar das Crianças Peculiares tem fantasia, ação, romance, tudo que um ótimo filme pode pedir. Altamente recomendo que assistam no cinema, porque vale a pena demais, definitivamente é a melhor estreia de setembro. Confesso que no final fiquei meio perdida, mas isso se deve ao fator livro, porque o filme continua e tem um final, quando o livro acaba do nada, só faltando a frase: continua na próxima edição. Logo a minha dúvida é (já que não li ainda o segundo livro da série): o filme é uma livre adaptação ou jogou um monte de spoiler de Cidade dos Estérios na minha cara??? Saberei ao ler o segundo livro que eu não tenho e aceito de presente tá??? Fica a dica. Mas como estamos falando do filme, eu que sou insuportável com adaptações, me rendi ao Lar das Crianças Peculiares e fiquei extremamente satisfeita com essa maravilhosa adaptação. Além de um ótimo roteiro, o filme é lindo de ver. Parabéns tio Burton, dessa vez o senhor acertou com louvor!!! Cinema hein?? Por favor, vamos prestigiar e garantir um segundo filme!! :D



Resenha feita por: Amanda Oliveira

Obs.: E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar!
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.