sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

[Resenha] Sissi a imperatriz solitária - Allison Pataki - Gutenberg - 2016


Título Original: Sisi: Empress on Her Own
Páginas: 416
Informações do Livro: Skoob - GoodReads
Onde Comprar: Compare e Compre - Saraiva - Amazon
Leia Amostra Grátis: Amazon


A “Rainha Encantada”, a mulher mais linda do mundo: a figura da Imperatriz Elisabeth da Áustria-Hungria, carinhosamente chamada de Sissi, sempre desperta fascínio e comoção por onde passa, mas sob tanto deslumbramento vive uma mulher muito mais complexa, que se sente sufocada pelo casamento turbulento e pelos rigorosos protocolos que ditam a vida na corte.
Casada com o Imperador Franz Joseph, amada e odiada por seu povo, Elisabeth é uma das mulheres mais poderosas e influentes do mundo na Viena de meados do século XIX, onde os luxuosos salões do Palácio de Hofburg fervilham não só com valsas imperiais, champanhe e assuntos de Estado, mas também com tentações, rixas e desavenças acirradas.
Espírito livre e sensível, Sissi só encontra paz quando vai para longe das intrigas palacianas e, assim, nasce uma chama que a consumirá por toda a vida: a paixão pelas viagens, que a leva para lugares remotos, onde pode cavalgar livremente e interagir com plebeus.
Mas a vida de um monarca não pertence a ele mesmo, e sempre que o dever se impõe à liberdade de escolha, Sissi é obrigada a voltar à reclusão de seu círculo social, rodeada de fofocas, inveja e tristeza. Grande parte da excelente imagem mundial da Áustria-Hungria depende do carisma de Sissi, e ela precisa fazer a sua parte para salvar o Império. Mas, no final, ela poderá salvar-se?



Então, antes de fazer essa resenha, eu procurei saber alguns detalhes da história da Rainha Encantada - Sissi.

Nesse livro, conhecemos a história da imperatriz Elizabeth, rainha da Austria-Hungria no seculo XIX. Sissi é conhecida por sua beleza singular e seus fartos cabelos. Mas quantos mais viramos as paginas desse livro, conhecemos mais a personalidade da rainha. 

Quando a editora Gutenberg, mandou o livro, fiquei pensando: Nossa que edição linda e comecei imediatamente a leitura.
E honestamente eu não gostei do livro. Não sei se foi por causa da autora ou por causa da história em si. 

Nos capítulos iniciais o leitor se simpatiza com a adorável Sissi, ela se casou aos 16 anos com o Imperador Franz Joseph, e ficamos ainda mais encantados com ela, por causa da sua vida reclusa em Godollo, criando a única filha que ela não abriu mão para Áustria. Até ai tudo bem, porem até o final do livro descobrimos o quão egoísta é a Imperatriz Elisabeth e vemos que a admiração que se tem por ela não se passa apenas de uma ilusão causada por sua beleza.

Sissi, não era afeiçoada pela corte de Viena, com seus preconceitos e modos antiquados ditando regras. Ela vive separada de Franz Joseph, e percebemos de cara o quanto a rainha só pensava em si e em sua filha Valerie. Seus outros filhos foram criados pela avó Sophie, mãe de Franz, fazendo com que Sissi não tivesse afeição por seus dois filhos mais velhos. 
Tirando, ela mesma e Valerie, a única coisa que Sissi se importava era seus cavalos e fazer suas longas viagens para longe de Viena.

Foi decepcionante perceber que qualquer problema que se tinha na corte, a imperatriz simplesmente fugia, deixando seu marido e os filhos para poder ter sua liberdade. Isso só atraia mais comentários desfavoráveis a ela pela corte.

Não gostei do livro pelo fato da autora pouco explorar os supostos romances que a imperatriz teve e detalhar demais detalhes sobre seu cabelo e coisas triviais, que deixou a leitura um pouco massante. 


Elisabeth, era conhecida por ser uma das mulheres mais bonitas do mundo, porem sua beleza cai por terra quando conhecemos a verdadeira Sissi, uma mulher, fria, egoísta que poderia ser muito mais ao lado do imperador, ajudando-o a manter um império de sucesso. Alisson Pataki, só nos fez perceber que ela não merecia tal admiração, pois a mesma não se passava de uma menina de 16 anos que não cresceu e que vivia de suas próprias vontades e que o titulo a Imperatriz Solitária era perfeito para ela, pois ela não deixava ninguém entrar na sua vida.


Resenha feita por: Juliana Santos

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas)
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.