quarta-feira, 17 de maio de 2017

[Crítica] Antes que eu vá


Antes que eu vá - Before I Fall
Direção: Ry Russo - Young
Elenco: Zoey Deutch, Halston Sage, Elena Kampoutis...

Sinopse:

Samantha Kingston (Zoey Deutch) é uma jovem que tem tudo o que uma jovem pode desejar da vida.. No entanto, essa vida perfeita chega a um final abrupto e repentino no dia 12 de fevereiro, um dia que seria um dia como outro qualquer se não fosse o dia de sua morte. Porém, segundos antes de realmente morrer, ela terá a oportunidade de mudar a sua última semana e, talvez, o seu destino.


 





Crítica


Para alguém que só viu o filme, devo dizer que a história nos cativou em poucos minutos. Sendo baseado no livro homônimo, Antes que eu Vá, de Lauren Oliver (Intrínseca, 2011), desperta a curiosidade do espectador a querer compreender o que acontece com a personagem principal, Samantha Kingston, que após sofrer um acidente, revive esse mesmo dia, incontáveis vezes, contudo com algumas alterações definidas de acordo com descobertas e determinadas atitudes que a própria Samantha vai tomando no decorrer da história.

A protagonista é o retrato do clichê dos filmes juvenis americanos. Vemos que Sam é uma adolescente popular que tem suas melhores amigas sempre ao seu lado, que namora um cara cobiçado na escola, e troca meia dúzia de palavras com seu antigo melhor amigo de infância. Por algum motivo, ela e suas amigas não gostam de uma colega da escola, chamada por elas de psicótica, louca etc.

O filme se passa em uma cidade montanhosa e nublada, formando uma fotografia linda e condizente com toda a situação passada por Sam. Seus pensamentos estão nublados e ela não sabe por quê ela foi escolhida para viver aquele dia tantas vezes.

Ao decorrer do filme um incômodo vai se formando diante daquela situação, porque você quer entender o que está acontecendo e como ela vai resolver essa situação. Porém o foco da história vai muito além dessa resolução, visa reflexão das nossas atitudes com os que estão ao nosso redor, de valorizar pequenos gestos de quem amamos e não ter vergonha de ser você mesmo, – principalmente em relação aos jovens – de acharmos que temos tempo suficiente para tudo, que podemos sempre deixar para resolver ou dizer algo importante depois. Só que devemos lembrar que não temos certeza se vamos ter um dia seguinte.


Become who you are

Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.