terça-feira, 30 de maio de 2017

[Crítica] Mulher-Maravilha (Wonder Woman - EUA, 2017)


Mulher Maravilha - Wonder Woman

Direção: Patty Jenkins
Roteiro: Jason Fuchs
Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Robin Whight, David Thewlis, Lucy Davis...

Sinopse:

Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince (Gal Gadot) nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) se acidenta e cai numa praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.







A redenção da DC Comics.


Diferente de todos os filmes da DC, Wonder Woman, chega aos cinemas para provar que nem tudo esta perdido, e que podemos sim, ter ÓTIMOS filmes de super heróis.

Mulher Maravilha, é o primeiro filme de super herói estrelado por uma mulher, e que diga-se de passagem, ninguém estava levando fé no potencial da DC Comics, fazer filmes bons. 
E depois da escolha da linda Gal Gadot, nunca que um ator casou também com seu personagem.

Vamos concordar, que não deve ter sido fácil para uma diretora (Patty Jenkins) fazer um filme de uma heroína tão forte, e principalmente acertar em cheio no filme logo de cara. Confesso que eu estava esperando bem pouco desse filme, depois dos erros dos filmes anteriores da DC Comics, e agora eu já posso esperar por um bom filme da Liga da Justiça depois de Wonder Woman.

O filme nos conta a história de Diana, princesa da ilha de Themyscira. Nós vemos a infância a princesa e o quanto ela é encantada com as histórias de seu povo. E daí surge a lenda das Amazonas. Diana inicia seu treinamento de amazona desde cedo com sua tia e general Antíope.

A ilha era bem protegida fora do alcance dos homens, até a chegada do capitão Steve Trevor. Logo após sua chegada inesperada a ilha, ele informa que seu mundo está em guerra (preludio da Primeira Guerra Mundial), o que leva a princesa Diana querer ajudar o mundo de Steve. 



O filme decorre de uma forma natural e quase idêntica a dos desenhos. O vilão do filme Ares que é o inimigo das Amazonas, é um vilão super estimado e acaba ajudando nessa transição da princesa a Mulher Maravilha.

A sonoplastia do filme é tão bela quanto a sua fotografia. Dessa vez eu não tenho nenhuma queixa a fazer a respeito da DC Comics, eles conseguiram capturar a essência da Mulher Maravilha e transmitir nesse filme. Até o 3D do filme está ótimo e olha que não suporto filme em 3D. E vamos combinar que as cenas de combate foram muito bem ensaiadas.

E por favor meus amigos quando forem assistir A Mulher Maravilha, procure uma sala I-MAX a experiencia vale todo centavo gasto para a seção.

Já espero ansiosa o retorno de Gal Gadot em Liga da Justiça.

Resenha feita por: Juliana Santos

Obs.: Prefiro não notificar o livro, pois eu não tenho a capacidade de enumerar de 0 a 10 o quão ele pode ser ruim ou não. Prefiro deixar você descobrir. E se por ventura houver erro de português, não deixa de me avisar, sou humano e vou errar! (Essa observação irá em todas as resenhas 
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.