sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Crítica | Assassinato no Expresso do Oriente

Assassinato no Expresso do Oriente

Titulo Original: Murder on the Orient Express
Direção: Kenneth Branagh
Roteiro: Michael Green
Elenco: Kenneth Branagh, Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Penélope Cruz, Jude Dench, Daisy Ridley, Willem Dafoe...

Sinopse:

O detetive Hercule Poirot (Kenneth Branagh) embarca de última hora no trem Expresso do Oriente, graças à amizade que possui com Bouc (Tom Bateman), que coordena a viagem. Já a bordo, ele conhece os demais passageiros e resiste à insistente aproximação de Edward Ratchett (Johnny Depp), que deseja contratá-lo para ser seu segurança particular. Na noite seguinte, Ratchett é morto em seu vagão. Com a viagem momentaneamente interrompida devido a uma nevasca que fez com que o trem descarrilhasse, Bouc convence Poirot para que use suas habilidades dedutivas de forma a desvendar o crime cometido. 





Primeiro precisamos falar do elenco estrelar desse filme, todos reunidos e desempenhando seus respectivos papéis muito bem com destaque para as maravilhosas veteranas Judi Dench, Penelope Cruz e a novata queridinha Daisy Ridley.

É um filme pra quem gosta de investigação e mistério, bem dirigido e com poucos furos no roteiro leva o público através das belas paisagens e charmosos figurinos para 1934 e por lá se desenvolve toda a trama em que ocorre um assassinato em pleno trem e o investigador se torna a única pessoa capaz de solucionar. 

O roteiro dá algumas dicas para o público de quem pode ter sido e apenas no final que faz sentido o que eu achei maravilhoso.

Nunca li a aclamada Agatha Chrstie mas não fiquei imune a sua aura de perigo e mistério sempre lançando novas pistas para nos confundir, gostei demais da adaptação mesmo sem ter lido a obra original.



Escolha o seu suspeito e se delicie nessa investigação.


Escrito por Ana Paula Santos.
Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Sobre Nós

Sobre Higor e Juliana: Casal geek, cinéfilos, leitores compulsivos. Amantes de um bom seriado e perdidamente apaixonados pelo mundo da literatura.